A luz

Como prometido, vou escrever sobre o Dr. Cícero =D
Ele foi o primeiro médico a quem fui que não fez cara de "AHN???" ao ler as biópsias do tumor... E digo mais!!! Ele disse que conhecia outros casos aqui em Recife E que ele era um dos 5 especialistas daqui na área. Como não amar? <3
Foi na primeira consulta com ele que comecei a acordar e a entender porque o tumor sempre voltava... Vou tentar explicar o que eu entendi com minhas palavras noobzinhas [Valeska e Chiyou me perdoem! hahaha].
O tumor desmóide é um tipo de tumor não encapsulado e sendo assim, tem grande capacidade de crescimento infiltrativo, então para tentar evitar uma recidiva dele, é necessário removê-lo com uma margem de tecido que aparentemente não esteja afetado por ele.
Ele me falou também que a tal cicatriz estilosa era o PIOR CORTE que poderia ser feito, pois assim aumentaria a área de contato pra o tumor se desenvolver e se eu tivesse que ser operada mais uma vez, seria necessária a retirada de toda a área de tecido em volta da cicatriz. Resumindo: Valeu médico da 2ª cirurgia! Fico muitisimo agradecida ;)
Doutor Cícero ainda falou que não queria fazer uma cirurgia de imediato, pois seria muito agressiva e me pediu para ir à outro médico pedir a opinião dele. Ele também me levou para as reuniões dos médicos especialistas do hospital do câncer por inúmeras vezes para então decidir se iria fazer a cirurgia e como seriam os procedimentos. Fiz, se não me engano, 3 ressonâncias até a decisão final que foi: retirar o tumor com dois centimetros de margem, retirar o músculo deltóide e fazer uma raspagem no osso.



Foto de alguns dias depois da cirurgia, logo após a retirada do curativo.

Infelizmente mesmo com todas estas precauções não era garantia o tumor desaparecer por completo e o miserável voltou! Doutor Cícero então me passou para a minha atual médica/anjo que acompanha estudos e pesquisas sobre tratamentos alternativos; Dra. Jurema Telles [que não encontrei um currículo decente na internet, então fico devendo essa! xD]. <3

One thought on “A luz”

Leave a Reply